Coleta Seletiva Solidária arrecada cerca de 1,6 tonelada de resíduos em Drive-Thru na capital

O "Drive-Thru da Coleta Seletiva Solidária", realizado nesta terça-feira (17/5), no estacionamento do Fórum da Comarca de Palmas, arrecadou até o momento aproximadamente 1,6 tonelada de resíduos sólidos – número que deverá aumentar, uma vez que as doações ainda acontecem durante esta semana. A iniciativa é uma realização do Tribunal de Justiça do Tocantins (TJTO), por meio da Coordenadoria de Gestão Socioambiental e Responsabilidade Social (Cogersa), em parceria com a Rede TO Sustentável.

Na solenidade de abertura oficial, realizada no Salão do Tribunal do Júri, a presidente da Comissão Gestora do Plano de Logística Sustentável do Poder Judiciário do Tocantins (CGPLS/PJTO), desembargadora Ângela Prudente agradeceu a presença de todos e falou da importância do projeto.

“É uma iniciativa de cunho social bastante representativa, vai além da preservação do meio ambiente e educação ambiental, na medida em que ele propicia a criação de uma cultura que faz com que todos nós adquiramos o hábito de dar uma destinação correta aos resíduos que produzimos. E um outro ponto que eu não poderia deixar de ressaltar é o seu caráter socioeconômico, uma vez que os catadores de resíduos encontram uma atividade geradora de receitas e de transformação de vidas”, avaliou a magistrada.

Resolução CNJ

Ao doar os materiais (caixas de papelão, papel, potes e garrafas de vidro, óleo de cozinha usado, apostilas, livros antigos, entre outros), as pessoas recebiam mudas de plantas nativas da região, doadas pela Fundação Municipal de Meio Ambiente de Palmas (FMA). A Coleta Seletiva Solidária está em conformidade com a Resolução CNJ nº 400/2021, e com o PLS-PJTO, e tem expressiva importância para os índices que integram o Prêmio CNJ de Qualidade 2022.

A diretora do Foro da Comarca de Palmas, juíza Flávia Afini Bovo, destacou que o evento é muito significativo, “para sensibilizar toda sociedade a respeito da importância da reciclagem, não apenas no aspecto ambiental e de conservação da natureza, mas também no aspecto da responsabilidade social, ou seja, tudo isso que for arrecadado aqui, além de ajudar o meio ambiente, vai contribuir para o aumento da renda de muitas famílias. É um programa ambiental e social de grande relevância”.

O procurador de Justiça José Maria da Silva, coordenador do Centro de Apoio Operacional de Urbanismo, Habitação e Meio Ambiente (Caoma), representando o Ministério Público Estadual (MPE), elogiou o trabalho do Judiciário nas questões que envolvem o meio ambiente, citou as dificuldades que os municípios no Estado ainda têm em dar a destinação correta aos resíduos produzidos e ressaltou a importância da atividade desempenhada pelos catadores, uma vez que 90% do que se é reciclado atualmente é resultado do trabalho deles. Também reiterou o trabalho do MPE em campanhas de informação e conscientização.

Catadoras

“Isso muda muito a nossa vida porque foi o motivo que a gente encontrou pra arrumar trabalho e ganhar o nosso pão de cada dia, e eu acho muito importante acontecer um evento desse aqui em Palmas”, disse dona Creuselina Pereira, 76 anos, há 20 associada da Cooperativa de Produção de Materiais Recicláveis do Tocantins (Cooperan).

“Isso que está acontecendo aqui hoje é muito importante porque a gente sobrevive desse trabalho, então é muito bom pra gente. Melhorou muito porque é da associação que a gente tira o nosso sustento. E era muito bom que as pessoas conscientizassem mais, pra colocar os resíduos no lugar certo, porque a gente faz a coleta e na coleta vem muita coisa que não é reciclável, eles misturam muito e às vezes estraga até o material bom que poderia servir”, alertou dona Maria Liduína Ferreira da Silva, 58 anos de idade, e há oito associada na Associação de Catadores de Materiais Recicláveis Sólidos de Palmas (Ascamares).

Conscientização

“Recebi o recado pelo grupo de whatsapp, inclusive repassei no grupo da escola para os pais ajudarem também nessa iniciativa. Hoje pela manhã cheguei lá e estava cheio de material para reciclagem, e trouxe junto com os meus que estavam em casa. Eu acho fundamental porque a gente tem que conscientizar as pessoas da reciclagem, para não acumular resíduos, afinal de contas a gente precisa pensar no futuro, pensar nos nossos filhos e netos e num meio ambiente que a gente possa usufruir e também conservar ao mesmo tempo”, disse a professora Lanuse Tavares, de Palmas.

Também prestigiaram o evento a corregedora-geral da Justiça, desembargadora Etelvina Maria Sampaio Felipe; magistrados e magistradas, representantes da Rede TO Sustentável; diretores do TJTO; e servidores do Judiciário.

Rede TO Sustentável

Coordenada pelo TJTO, a Rede TO Sustentável é composta pelo Governo do Estado, através da Secretaria de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Semarh) e Agência Tocantinense de Saneamento (ATS); Prefeitura de Palmas,  Universidade Federal do Tocantins (UFT), Universidade Estadual do Tocantins (Unitins), Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), Defensoria Pública Estadual (DPE), Ministério Público do Tocantins (MPE), Tribunal Regional Eleitoral (TRE) e Tribunal de Contas do Estado (TCE).

Texto: Ramiro Bavier/ Fotos Rondinelli Ribeiro

Comunicação TJTO